SHEMA YSRAEL, YAOHUSHUA ELOHENU UL, YAOHUH  ECHAD! Dt 6:4.

Escuta Yaoshor'u! Yaohushua é o nosso Criador; o Eterno é um Só!

TERRA PLANA, DEFINITIVAMENTE

SABEMOS, UM TERRAPLANISTA NÃO TEM CULTURA SUFICIENTE PARA LER ESTE ESTUDO (ELE NÃO DESEJA "TER A SUA MENTE MANIPULADA"), PORTANTO, AQUI VC ENCONTRA ARGUMENTOS PARA "DIALOGAR" COM ELE!

Exclua o item que desejar, chegando o mause no canto esquerdo, no doc que abrir!

Imprimir

HISTÓRIA:

Terra plana é um modelo arcaico sobre a concepção do formato da Terra como um plano ou disco. Muitas culturas antigas concordavam sobre a cosmografia plana da Terra, incluindo a Grécia antiga (até o período clássico), as civilizações da Idade do Bronze e da Idade do Ferro do Oriente Médio (até o período helenístico), na Índia (até o período Gupta), primeiros séculos d.C.), e na China até o século XVII. Esse paradigma também era tipicamente mantido nas culturas indígenas da América e a noção de uma Terra plana, abobadada pelo firmamento em forma de uma tigela invertida, era comum em sociedades anteriores às leis científicas, e.g. a da gravitação universal.

Os argumentos dos terraplanistas simplesmente não convencem...

 

A idéia de uma Terra esférica apareceu na filosofia grega com Pitágoras (século VI a.C.), embora a maioria dos pré-socráticos (séculos VI a V a.C.) tenha mantido o modelo plano da Terra. Aristóteles forneceu evidências para a forma esférica da Terra em bases empíricas em torno de 330 a.C. . O conhecimento da Terra esférica começou a se espalhar gradualmente além do mundo helenístico a partir de então.

Na era moderna, teorias pseudocientíficas da Terra plana foram adotadas por grupos religiosos, pentecostais e, cada vez mais, por indivíduos religiosos, usando as mídias sociais. As teorias atuais que defendem modelos de Terra plana são totalmente rejeitadas pela comunidade científica, mas NADA que possamos falar (ou mostrar) os demove de suas “crenças”, pois tudo está sendo manipulado por mentes satânicas, nos colocando presos em uma Matrix!

Concepção na Idade Média

 

Nos tempos de Plínio, o Velho (século I) essa idéia era bem aceita no mundo greco-romano. Nessa época, Ptolomeu derivou seus mapas de um globo curvado e desenvolveu o sistema de latitudes e longitudes. Entre os primeiros cristãos, uns poucos escritores questionaram ou mesmo se opuseram à esfericidade da Terra com fundamentos teológicos, mas muitos desses não são tidos como influentes em períodos posteriores como a Idade Média, devido à escassez de referências a seus escritos. A Idade Média começou com a desintegração da civilização romana, em torno do século VII, quando a Europa ocidental se desorganiza, empobrece e perde contato com muito do conhecimento científico que havia sido desenvolvido pelos gregos. Apesar disso, os principais escritos cosmológicos do início da Idade Média continuaram considerando a Terra como esférica; e é seguro afirmar que no máximo em torno de 1100, época do Renascimento do Século XII, o modelo geocêntrico de Ptolomeu havia suplantado qualquer dúvida acerca da esfericidade da Terra na mente de pessoas educadas no continente.

Entretanto, segundo Jeffrey Russell, a noção de que durante a Idade Média haveria uma crença na Terra plana teria sido forjada no século XVIII, sendo atualmente uma visão popular entre leigos. Ainda segundo Jeffrey, medievalistas e historiadores da ciência atualmente concordam que essa seria uma concepção falsa, e os poucos autores ocidentais do mundo antigo ou medieval que comprovadamente combateram a esfericidade da Terra foram exceção, sendo geralmente ignorados ou tratados com pouca seriedade nos círculos intelectuais de sua época.

Apoio crescente

Mapa-múndi babilônico, o mais antigo mapa-múndi

conhecido, século VI a.C., Babilônia.

 

Nos pensamentos primitivos egípcio e mesopotâmico, o mundo era retratado como um disco flutuando no oceano. Um modelo semelhante é encontrado no relato homérico do século VIII a.C. em que "Okeanos, o corpo de água personificado que envolve a superfície circular da Terra, é o engenheiro de toda a vida e possivelmente de todos os deuses".

Os israelitas imaginavam a Terra como um disco plano que flutuava na água; um firmamento arqueado separava a Terra dos céus. Como a maioria dos povos antigos, os hebreus acreditavam que o céu era uma cúpula sólida com o Sol, a Lua, as estrelas errantes (planetas) e as estrelas embutidas nela. De acordo com a enciclopédia judaica:

Os hebreus antigos consideravam a terra como uma planície ou uma colina concebida como um hemisfério, mergulhado na água. Sobre ela era arqueada a sólida abóbada do céu. Nesta abóbada estariam presas as luzes, as estrelas. Tão leve era essa elevação que os pássaros podiam subir e voar ao longo de sua extensão. Algo destas crenças deixou-se “transparecer” em algumas passagens mais antigas das Escrituras; daí as aparentes “confirmações”, usando-se Escrituras pentecostais..

Os Textos das Pirâmides e os Textos dos Sarcófagos do Egito antigo mostram uma cosmografia similar; Nun (o oceano) era cercado nbwt ("terras secas" ou "ilhas").

Tanto Homero quanto Hesíodo descreveram uma cosmografia de disco plano no Escudo de Aquiles. Esta tradição poética de um mar (oceano) que circunda a terra (gaiaokho) e um disco plano também aparece em Estásino de Chipre, Mimnermo, Ésquilo e Apolônio de Rodes.

A descrição de Homero sobre a cosmografia do disco plano no Escudo de Aquiles com o oceano circundante é repetida muito mais tarde por Quinto de Esmirna em seu Posthomerica, (século IV d.C.), que continua com a narração da Guerra de Tróia.

Representação possível do mapa-múndi de Anaximandro

 

Vários filósofos pré-socráticos acreditavam que o mundo era plano: Tales de Mileto (c. 550 a.C.) de acordo com várias fontes, e Leucipo (440 a.C.) e Demócrito (c. 460–370 a.C.) de acordo com Aristóteles.

Tales de Mileto pensou que a terra flutuava sobre a água como um tronco. Por outro lado, argumentava-se, que Tales acreditava em uma Terra redonda. Anaximandro (c. 550 a.C.) acreditava que a Terra fosse um cilindro curto com um topo plano e circular que permaneceu estável porque estava à mesma distância de todas as coisas. Anaxímenes de Mileto acreditava que "a terra era plana e viaja ao ar, da mesma forma que o sol, a lua e os outros corpos celestes, que são todos ardentes, e vagam ao ar por causa da sua planicidade". Xenófanes de Colofão (c. 500 a.C.) pensava que a Terra fosse plana, com a parte superior tocando o ar e o lado inferior estendendo-se sem limites. A crença em uma Terra plana continuou no século V a.C. . Anaxágoras (c. 450 a.C.) concordou que a Terra fosse plana e seu pupilo Arquelau acreditava que a Terra plana afundava no meio como um pires, para permitir que o Sol não se levantasse e apontasse ao mesmo tempo para todos.

Historiadores

Hecateu de Mileto acreditava que a terra fosse plana e cercada por água. Heródoto em suas Histórias ridicularizou a crença de que a água cercava o mundo, mas a maioria dos clássicos concorda que ele ainda acreditasse que a Terra fosse plana por causa de suas descrições de "fins" ou "bordas" literais da terra.

Sul da Ásia antiga

Na Índia antiga, algumas teorias descreviam a Terra como um disco plano, enquanto outros a descreviam como esférico. Muitos da época medieval inicial de Purana apresentam uma cosmologia da terra plana. Provavelmente uma influência dos gregos, após a chegada de Alexandre, o Grande no subcontinente indiano do noroeste, as cosmologias hindu, jainista e budista considerava que a terra fosse um disco circular de fundo plano composto por sete continentes e rodeado por um oceano salgado concêntrico. No entanto, a terra em forma de disco plano não é a única cosmologia apresentada nestes textos. O quinto canto do texto historicamente popular Bhagavata Purana, inclui seções que descrevem a Terra como uma esfera, onde os autores assim explicam o fenômeno do nascer e do pôr do sol, o aumento e a configuração da lua e dos planetas tendo a forma esférica e movimento de corpos astronômicos.

Antiga Europa

Yggdrasil em gravura de Friedrich Wilhelm Heine (1886).

 

Os antigos povos nórdicos e germânicos acreditavam numa cosmografia da Terra plana, com a Terra cercada por um oceano, com um eixo-múndi, uma árvore colossal (Yggdrasil; acima) ou um pilar (Irminsul) no centro. No oceano circundante do mundo, havia uma cobra chamada Jörmungandr. O relato da criação nórdica preservado em Gylfaginning (século VIII) afirma que, durante a criação da terra, um mar intransponível foi colocado ao seu redor:

[…] E Jafnhárr disse: ‘Do sangue, que correu e pululou livremente de suas feridas, eles fizeram o mar, quando se formaram e firmaram a terra e juntaram o mar em um anel redondo sobre ela, e pode parecer difícil para a maioria dos homens atravessá-lo’

Um relato nórdico posterior Konungs skuggsjá, por outro lado, infere uma Terra esférica: […] Se você levar uma vela acesa e acendê-la em uma sala, pode esperar que ela acenda todo o interior, a menos que algo dificulte, ainda que o quarto seja grande. Mas se você pegar uma maçã e colocá-la perto da chama, tão perto que seja aquecida, a maçã escurecerá quase a metade da sala ou ainda mais. No entanto, se você pendurar a maçã perto da parede, [a maçã] não ficará quente; a vela iluminará toda a casa; e a sombra na parede onde a maçã está pendurada será quase tão grande quanto a própria maçã. A partir disso, você pode inferir que o círculo da terra é redondo como uma bola e não igualmente próximo ao sol em todos os pontos. Mas onde a superfície curva fica mais próxima do caminho do sol, haverá maior calor; e algumas das terras que se encontram continuamente sob os raios ininterruptos não podem ser habitadas. Bingo! Só não conseguir intuir, empiricamente, o movimento de rotação da Terra!

Antigo Leste Asiático

Na China antiga, a crença predominante era que a Terra fosse plana e quadrada, enquanto o céu era redondo, uma suposição praticamente inquestionável até a introdução da astronomia europeia no século XVII. O sinologista inglês Cullen enfatiza o ponto de que não havia conceito de uma Terra redonda na antiga astronomia chinesa: O pensamento chinês sobre a forma da terra permaneceu quase inalterado desde os primeiros tempos até os primeiros contatos com a ciência moderna por meio dos missionários jesuítas no século XVII. Enquanto os céus foram descritos como sendo como um guarda-chuva que cobre a Terra (a teoria de Kai Tian), ou como uma esfera que a circunda (a teoria de Hun Tian) ou como sendo sem substância enquanto os corpos celestes flutuam livremente (a teoria de Hsüan Yeh), a Terra era sempre plana, embora talvez ligeiramente curvada.

O modelo de um ovo foi frequentemente usado por astrônomos chineses, como Zhang Heng (78–139 d.C.) para descrever os céus como esféricos: Os céus são como um ovo de galinha e tão redondos como uma bala de besta; a Terra é como a gema do ovo e está no centro.

Esta analogia com um ovo levou alguns historiadores modernos, notavelmente Joseph Needham, a conjecturar que os astrônomos chineses estavam, afinal, conscientes da esfericidade da Terra. A referência do ovo, no entanto, era mais uma vez para esclarecer a posição relativa da terra plana para com os céus: Em uma passagem da cosmogonia de Zhang Heng não traduzida por Needham, o próprio Zhang diz: 'O céu leva seu corpo do Yang, então é redondo e está em movimento. A Terra leva seu corpo do Yin, então é plano e quiescente'. O ponto da analogia do ovo é simplesmente para enfatizar que a Terra está completamente fechada pelo céu, em vez de simplesmente coberta de cima como o Kai Tian descreve. Os astrônomos chineses continuaram a pensar em termos de terra plana até o século XVII; este fato surpreendente pode ser o ponto de partida para uma nova análise da aparente facilidade com a qual a idéia de uma terra esférica encontrou aceitação no século V a.C., na Grécia.

Outros exemplos citados por Needham, que supostamente demonstram vozes dissidentes do antigo consenso chinês, referem-se, sem exceção, à Terra, sendo quadrada, e não plana. Por conseguinte, o estudioso Li Ye, no século XIII, argumentou que os movimentos do céu redondo seriam prejudicados por uma Terra quadrada, não defendiam uma Terra esférica, mas sim que sua borda deveria ser arredondada para que o domo circulasse.

Conforme observado no livro Huainanzi, no século II a.C., os astrônomos chineses efetivamente inverteram o cálculo da curvatura da Terra por parte de Eratóstenes para calcular a altura do sol acima da Terra. Ao assumir que a Terra fosse plana, eles chegaram a uma distância de 200.000m. Zhoubi Suanjing também discute como determinar a distância do Sol, medindo o comprimento das sombras do meio-dia em diferentes latitudes, um método semelhante à medida circuncêntrica da Terra de Eratóstenes, mas Zhoubi Suanjing assume que a Terra seja plana.

- Declínio

Mediterrâneo antigo

Quando um navio está no horizonte, sua parte inferior

     é obscurecida devido à curvatura da Terra.

 

Sombra semicircular da Terra durante

um eclipse lunar.

 

A Esfera Terrestre de Cratos de Malus (c. 150 a.C.)

FOI UM ACASO A DESCOBERTA DE CABRAL?

 

Pitágoras, no século VI a.C., e Parmênides, no século V, afirmaram que a Terra era esférica, e a visão de uma Terra esférica se espalhou rapidamente no mundo grego. Em torno de 330 a.C., Aristóteles manteve-se com base na teoria física e na evidência observacional de que a Terra fosse esférica e relatou uma estimativa na sua circunferência. A circunferência da Terra foi determinada em torno de 240 a.C. por Eratóstenes. No século II d.C., Ptolomeu reproduziu seus mapas de um globo terrestre e desenvolveu o sistema de latitudelongitude e climas. Seu Almagest foi escrito em grego e apenas traduzido para o latim no século XI, a partir de traduções em árabe.

No século II a.C., Cratos concebeu uma esfera terrestre que dividia a Terra em quatro continentes, separados por grandes rios ou oceanos, com suposições de que pessoas vivessem em cada uma das quatro regiões. Em oposição ao oikumene, o mundo inabitado, foram os antípodas, considerados inacessíveis tanto por causa de uma zona tórrida intermediária, como pelo oceano. Isso tomou forte controle sobre a mente medieval. Lucrécio (c. século I) se opôs ao conceito de Terra esférica, porque considerava que um universo infinito não tinha centro para o qual os corpos pesados ​​tenderiam. Assim, ele pensou que a idéia de que os animais andassem sobre (ainda mais na forma de um globo) a Terra fosse absurda. Ainda no século I d.C., Plínio, o Velho, estava em posição de reivindicar de que todos concordassem com a forma esférica da Terra, embora as disputas continuassem quanto à natureza dos antípodas e como seria possível que o oceano tivesse uma forma curva. Plínio também considerou a possibilidade de uma esfera imperfeita, "… em forma de pinha".

Na antiguidade tardia, enciclopedistas amplamente lidos como Macróbio e Marciano Capella (ambos do século V d.C.) discutiram a circunferência da esfericidade da Terra, sua posição central no universo, a diferença das estações nos hemisférios norte e sul e muitos outros detalhes geográficos. Em seu comentário sobre o Sonho de Escipião, de Cícero, Macróbio descreveu a Terra como um globo de tamanho insignificante em comparação com o restante do cosmo.

Igreja cristã primitiva

Durante o período da Igreja primitiva, o conceito esférico continuou a ser amplamente aceito, com algumas exceções notáveis.

Lactâncio, escritor cristão e conselheiro do primeiro imperador romano cristão, Constantino, ridicularizou a noção de antípodas, habitada por pessoas "cujos passos são mais altos que suas cabeças". Depois de apresentar alguns argumentos, ele atribuiu aos defensores de um céu esférico, e sobre a Terra, ele escreveu: Mas se você perguntar sobre aqueles que defendem essas maravilhosas ficções, por que todas as coisas não caem na parte inferior dos céus, eles respondem que tal é a natureza das coisas, que os corpos pesados ​​são levados ao meio e que todos juntaram-se ao meio, como vemos raios numa roda; mas os corpos que são leves, como a névoa, a fumaça e o fogo, são levados para fora do meio, de modo a buscar o céu. Estou com uma perda do que dizer respeitando aqueles que, quando eles erraram uma vez, perseveram consistentemente em sua loucura e defendem uma coisa vã por outra...

O influente teólogo e filósofo Agostinho, um dos quatro Grandes Pais da Igreja Ocidental [ICAR], também se opôs à "fábula" de antípodas: Mas quanto à fábula de que existem antípodas, isto é, homens no lado oposto da terra, onde o sol nasce quando se coloca para nós, homens que caminham com os pés opostos ao nosso, não tem terreno credível. E, de fato, não se afirma que isso tenha sido aprendido pelo conhecimento histórico, mas pela conjectura científica, com o argumento de que a Terra está suspensa dentro da concavidade do céu, e que tem tanto espaço de um lado como por outro lado: então eles dizem que a parte que está por baixo também deve ser habitada. Mas eles não observam isso, embora seja suposto ou demonstrado cientificamente que o mundo é de uma forma redonda e esférica, mas não se segue que o outro lado da terra esteja nu; embora esteja desnudo, segue imediatamente que está povoada. Para as Escrituras, que provam a verdade de suas declarações históricas pela realização de suas profecias, não fornece informações falsas; e é demasiado absurdo dizer que alguns homens poderiam ter embarcado e atravessado todo o oceano largo, e atravessaram este lado do mundo para o outro, e que assim mesmo os habitantes dessa região distante são descendentes daquele primeiro homem...

A visão geralmente aceita pelos estudiosos da obra de Agostinho é que ele compartilhou a visão comum de seus contemporâneos de que a Terra fosse esférica, de acordo com o endosso da ciência em De Genesi ad litteram. Essa visão, contudo, foi contestada pelo notável erudito de Agostinho, Leo Ferrari, que concluiu que ele estava familiarizado com a teoria grega de uma terra esférica, no entanto, (seguindo os passos de seu compatriota norte-africano, Lactâncio), ele estava firmemente convencido de que a terra fosse plana, era um dos dois maiores corpos existentes e que deitava no fundo do universo. Aparentemente, Agostinho viu essa imagem mais útil para a exegese das escrituras do que a Terra com a forma de um globo no centro de um universo imenso.

O Jardim das Delícias Terrenas, de Hieronymus Bosch.

O pintor holandês descreveu a Terra como um disco,

que flutua em uma esfera transparente na obra.

 

Visão de mundo de Cosmas Indicopleustes

(terra plana em um tabernáculo)

 

Por outro lado, interpretação de Ferrari foi questionada pelo historiador de ciência, Phillip Nothaft, que considerou que, em seus comentários escriturais, Agostinho não apoiava nenhum modelo cosmológico particular.

Diodoro de Tarso, uma figura líder na Escola de Antioquia e mentor de João Crisóstomo, pode ter defendido uma Terra plana; no entanto, a opinião do Diodoro sobre o assunto é conhecida apenas por uma crítica posterior. Crisóstomo, um dos quatro Grandes Pais da Igreja da Igreja Oriental e arcebispo de Constantinopla, abraçou explicitamente a idéia, baseada nas escrituras, de que a Terra flutuasse milagrosamente na água sob o firmamento. Atanásio, o Grande, Pai da Igreja e Patriarca de Alexandria, expressou uma visão semelhante em Contra os Pagãos.

Topografia Cristã (547) do monge alexandrino Cosmas Indicopleustes, que viajou até o Sri Lanka e à fonte do Nilo Azul, agora é amplamente considerada o documento geográfico mais valioso da idade medieval primitiva, embora tenha recebido relativamente pouca atenção de contemporâneos. Nela, o autor expõe repetidamente a doutrina de que o universo consiste apenas em dois lugares, a Terra abaixo do firmamento e do céu acima dele.

Baseando-se cuidadosamente em argumentos das Escrituras, ele descreve a Terra como um retângulo, e uma jornada de 400 dias de comprimento por 200 de largura, cercada por quatro oceanos e por quatro paredes maciças que apóiam o firmamento. A teoria da Terra esférica é descartada por ele como "pagã".

Severiano, Bispo de Gabala (c. 408), escreveu que a Terra era plana e o sol não passava por baixo dela à noite, mas "viajava pelas partes do norte como se estivesse escondido por uma parede". Basil de Casareia (329–379) argumentou que o assunto era teologicamente irrelevante; como muitos, HOJE, acham...

Primórdios da Idade Média

Os primeiros escritores cristãos medievais no início da Idade Média sentiram pouco a vontade de assumir a planicidade da terra, embora tivessem impressões difusas dos escritos de Ptolomeu, Aristóteles, e dependiam mais de Plínio.

Com o fim da civilização romana, a Europa Ocidental entrou na Idade Média com grandes dificuldades que afetaram a produção intelectual do continente. A maioria dos tratados científicos da antiguidade clássica (em grego) não estavam disponíveis, deixando apenas resumos e compilações simplificados.

Ainda assim, muitos livros didáticos do início da Idade Média apoiaram a esfericidade da Terra. Por exemplo: alguns manuscritos medievais de Macrobius incluem mapas da Terra, incluindo antípodas, mapas zonais que mostram os climas ptolemaicos derivados do conceito de Terra esférica e um diagrama que mostra a Terra (rotulado como globus terrae, a esfera terrestre) no centro das esferas planetárias hierarquicamente ordenadas.

Mais exemplos de tais diagramas medievais podem ser encontrados em manuscritos medievais do Sonho de Escipião. Na era carolíngia, os estudiosos discutiam a visão de Macróbio sobre os antípodas. Um deles, o monge irlandês Dungal de Bobbio, afirmava que o fosso tropical entre nossa região habitável e a outra região habitável para o sul era menor do que se acreditava [!!!].

Mapa ‘T’ e ‘O’ do século XII representando o mundo habitado,

como descrito por Isidoro de Sevilhaem seu Etymologiae

(capítulo 14, de terra et partibus).

 

A concepção da Europa sobre a forma da Terra na Antiguidade tardia e no início da Idade Média pode ser melhor expressa pelos escritos dos primeiros eruditos cristãos:

   Boécio (480–524), que também escreveu um tratado teológico sobre a “trindade”, repetiu o modelo macrobiano da Terra no centro de um cosmos esférico em sua influente e amplamente traduzida Consolação da Filosofia.

O bispo Isidoro de Sevilha (560–636) ensinou em sua enciclopédia amplamente lida, as Etimologias, diversas concepções, como que a Terra "se assemelha a uma roda", parecida com a linguagem de Anaximandro no mapa que ele forneceu. Isso foi amplamente interpretado como se referindo a uma Terra plana em forma de disco. Uma ilustração do De Natura Rerun, de Isidoro mostra as cinco zonas da Terra como círculos adjacentes. Alguns concluíram que ele achava que as zonas árticas e antárticas eram adjacentes entre si. Ele não admitiu a possibilidade de antípodas, em que considerava que as pessoas habitam no lado oposto da Terra, considerando-os lendários e observando que não havia evidência de sua existência. O mapa de T e O de Isidoro, que foi concebido representando uma pequena parte de uma Terra esférica, continuou a ser usado pelos autores durante a Idade Média, por exemplo, o bispo do século IX, Rábano Mauro, que comparou a parte habitável do hemisfério norte (clima temperado do norte) com uma roda. Ao mesmo tempo, as obras de Isidoro também mostraram as mesmas noções, e.g. no capítulo 28 em De Natura Rerum, Isidoro afirma que o sol orbita a terra e ilumina o outro lado quando é noite neste. Em seu outro trabalho Etimologias, há também afirmações de que a esfera celeste tem a terra no centro e o céu distante de todos os lados. Outros pesquisadores também discutiram esses pontos. "O trabalho permaneceu insuperável até o século XIII e foi considerado o topo de todo o conhecimento. Tornou-se uma parte essencial da cultura medieval européia. Logo após a invenção da tipografia apareceu muitas vezes na impressão". No entanto, "os escolásticos — depois filósofos, teólogos e cientistas da época — foram ajudados pelos tradutores e comentaristas árabes, mas eles dificilmente precisavam lutar contra um legado da terra plana desde a Idade Média (500–1050). Os primeiros escritores medievais muitas vezes tinham impressões confusas e imprecisas de Ptolomeu e Aristóteles e dependiam mais de Plínio, contudo sentiram (com uma exceção), pouco a vontade de assumir a planicidade".

O detalhe de Isidoro das cinco zonas da Terra.

 

     O monge Bede (c. 672–735) escreveu em seu tratado influente sobre o computusO Cômputo do Tempo, que a Terra era redonda ["não apenas circular como um escudo [ou] larga como uma roda, mas se assemelha(ndo) mais a uma bola"], explicando a duração desigual da luz do dia "da redondeza da Terra, pois não sem razão é chamada de "orbe do mundo" nas páginas das Sagradas Escrituras e da literatura comum. É, de fato, definida como uma esfera no meio do universo inteiro". (De temporum ratione, 32). O grande número de manuscritos sobreviventes d'O Cômputo do Tempo, copiados para atender à exigência carolíngia de que todos os sacerdotes deveriam estudar o computus, indica que muitos sacerdotes, se não a maioria, foram expostos à idéia da esfericidade da Terra. Ælfric de Eynsham parafraseou Bede para o inglês antigo, dizendo: "Agora, a redondeza da Terra e a órbita do Sol constituem o obstáculo para que o dia seja igualmente longo em todas as terras".

Virgílio de Salzburgo (c. 700–784), em meados do século VIII, discutiu ou ensinou algumas idéias geográficas ou cosmográficas que Bonifácio encontrou suficientemente censurável e se queixou ao Papa Zacarias. O único registro sobrevivente do incidente está contido na resposta de Zacarias, datada de 748, onde ele escreve: Quanto à doutrina perversa e pecaminosa que ele [Virgílio] proferiu contra Deus e sua própria alma — se for claramente estabelecido que ele professa crença em outro mundo e outros homens que existem sob a terra, ou em [outro] sol e lua, tu deves manter um conselho, privá-lo de sua posição sacerdotal e excomungá-lo da Igreja.

Representação do século XII de uma Terra esférica

com as quatro estações (livro Liber Divinorum Operum,

por Hildegard de Bingen).

 

Algumas autoridades sugeriram que a esfericidade da Terra estava entre os aspectos dos ensinamentos de Virgílio, que Bonifácio e Zacarias consideravam censuráveis. Outros consideram isso improvável e tomam a redação da resposta de Zacarias para indicar, no máximo, uma objeção à crença na existência de seres humanos que vivem como antípodas. Em qualquer caso, não há registro de qualquer outra ação que tenha sido tomada contra Virgílio. Mais tarde foi nomeado bispo de Salzburgo e foi canonizado no século XIII.

Uma possível indicação não-literária, mas gráfica, de que as pessoas na Idade Média acreditavam que a Terra (ou quiçá o mundo) era uma esfera, era o uso do orbe (globus cruciger) na regalia de muitos reinos e do Sacro Império Romano. É comprovado desde o tempo do imperador cristão romano tardio Teodósio II (423) durante toda a Idade Média; o Reichsapfel foi usado em 1191 na coroação do imperador Henrique VI. No entanto, a palavra "orbis" significa "círculo" e não há registro de um globo como uma representação da Terra desde a antiguidade no Ocidente até a de Martin Behaim, em 1492. Além disso, poderia ser uma representação de todo o "mundo" ou cosmo.

Um estudo recente dos conceitos medievais da esfericidade da Terra observou que "desde o século VIII, nenhum cosmógrafo 'digno de nota' questionou a esfericidade da Terra". No entanto, o trabalho de tais intelectuais pode não ter tido influência significativa sobre a opinião pública, e é difícil dizer o que a população em geral pode ter pensado no formato da Terra, se eles considerassem a questão.

Alta e Baixa Idade Média européia

Pintura de uma edição de 1550 de De sphaera mundi,

o livro de astronomia mais influente da Europa

do século XIII.

 

No século XI, a Europa aprendeu mais sobre a astronomia islâmica. O Renascimento do século XII, cerca de 1070, iniciou uma revitalização intelectual na Europa com fortes raízes filosóficas e científicas e um maior interesse pela filosofia natural.

Hermano de Reichenau (1013–1054) foi um dos primeiros eruditos cristãos a estimar a circunferência da Terra com o método de Eratóstenes. Tomás de Aquino (1225–1274), o teólogo mais importante e amplamente ensinado da Idade Média, acreditava em uma Terra esférica; e ele mesmo deu por certo que seus leitores também sabiam que a Terra era redonda. Em sua Summa Theologica, ele escreveu: "O físico prova que a terra é redonda por um meio, o astrônomo por outro: para este último, prova isso por meio da matemática, e.g. pelas formas dos eclipses, ou algo assim, enquanto o especialista prova por meio da física, e.g. pelo movimento de corpos pesados ​​para o centro, e assim por diante". As palestras nas universidades medievais normalmente eram a favor das evidências avançadas da idéia de que a Terra fosse uma esfera. Além disso, Na esfera do mundo, o livro de astronomia mais influente do século XIII e a leitura de estudantes em todas as universidades da Europa Ocidental, descreve o mundo como uma esfera.

Ilustração da Terra esférica no século XIV,

cópia da L'Image du monde (c. 1246).

 

A forma da Terra não foi discutida apenas em trabalhos acadêmicos escritos em latim, também foi tratada em trabalhos escritos em línguas ou dialetos vernáculos e destinados a públicos mais amplos. O livro norueguês Konungs Skuggsjá, por volta de 1250, afirma claramente que a Terra é esférica — e que é noite no lado oposto da Terra quando é dia na Noruega. O autor também discute a existência de antípodas — ele observa que (se eles existem) eles vêem o Sol ao norte no meio do dia, e que eles experimentam estações opostas às das pessoas no Hemisfério Norte. No entanto, Tattersall mostra que, em muitos trabalhos vernáculos, em textos franceses dos séculos XII e XIII, a Terra era considerada "redonda como uma mesa" em vez de "redonda como uma maçã".

Em praticamente todos os exemplos citados […] de épicos e de romances não-historicistas (isto é, obras de um personagem menos instruído), a forma real de palavras utilizadas sugere fortemente um círculo ao invés de uma esfera, embora note que mesmo nestas obras o idioma é ambíguo.

A navegação portuguesa navegou a costa da África na segunda metade dos anos 1400, e deram evidências observacionais em larga escala para a esfericidade da Terra. Nessas explorações, a posição do sol se moveu mais para o norte, e mais ainda ao sul, durante as navegações dos exploradores. Sua posição diretamente acima ao meio-dia dava evidências de que cruzavam o Equador. Tais movimentos solares aparentes em detalhes foram mais consistentes com a curvatura norte-sul e um sol distante, do que com qualquer explicação de terra plana. A demonstração final veio quando a expedição de Fernão de Magalhães completou a primeira circum-navegação ao redor do mundo em 1521. Antonio Pigafetta, um dos poucos sobreviventes da viagem, registrou a perda de um dia no decurso da viagem, evidenciando curvatura leste-oeste. Nenhuma teoria da terra plana poderia conciliar os movimentos aparentes diários do sol com a capacidade de navegar ao redor do mundo, e a perda de um dia também não fazia sentido.

Mundo islâmico pós-clássico

califado abássida via a grande floração da astronomia e da matemática no século IX d.C., em que estudiosos muçulmanos traduziram o trabalho de Ptolomeu, que se tornou o Almagest, ampliou e atualizou seu trabalho com base em idéias esféricas. Desde então, estes geralmente foram respeitados.

Alcorão menciona que a Terra estava "espalhada". A isso, um clássico comentário persa, o Tafsir al-Kabir (al-Razi), escrito no final do século XII, diz: «Se é dito: "As palavras 'E a Terra que nós espalhamos' indicam que é plana? Nós responderíamos: Sim, porque a Terra, embora seja redonda, é uma esfera enorme, e cada pequena parte desta enorme esfera, quando é vista, parece ser plana. Como esse é o caso, isso irá dissipar o que eles, confusos, mencionaram. A evidência para isso é o verso em que Alá diz (interpretação do significado): 'E as montanhas como estacas' [an-Naba’ 78:7]. Ele os chamou de 'guindaste' mesmo que essas montanhas tivessem grandes superfícies planas. E o mesmo é verdadeiro neste caso».

Abzeme afirma no seu Fatwas Al-Fasl fi’l-Milal wa’l-Ahwa’ wa’l-Nihal que há evidências sólidas no Alcorão e hádices que a Terra é redonda, mas o povo comum diz o contrário. Ele afirma ainda: "Nossa resposta — é que nenhum dos maiores estudiosos muçulmanos que merecem ser chamados de imames ou líderes em conhecimento (que Alá os abençoe) negou que a Terra fosse redonda e que não houvesse narração deles para negar isso. Em vez disso, a evidência no Alcorão e no Suna afirmam que é redonda."

Dinastia Ming na China

Um globo terrestre esférico foi introduzido em Pequim no ano de 1267 pelo astrônomo persa Jamal ad-Din, mas não se sabe que tenha influenciado a concepção tradicional chinesa da forma da Terra. Até 1595, um missionário jesuíta na China, Matteo Ricci, registrou que os chineses diziam: "A terra é plana e quadrada, e o céu é um dossel redondo, eles não conseguiam conceber a possibilidade de antípodas." A crença universal em uma Terra plana é confirmada por uma enciclopédia chinesa contemporânea a partir de 1609, que ilustra uma Terra plana que se estende sobre o plano diametral do horizonte de um céu esférico.

No século XVII, a idéia de uma Terra esférica se espalhou na China devido à influência dos jesuítas, que ocuparam altas posições como astrônomos na corte imperial.

A Teoria da Terra plana

A partir do século XIX, surgiu um mito histórico que sustentava que a doutrina cosmológica predominante na Idade Média de que a Terra fosse plana. Um dos primeiros defensores desse mito foi o escritor americano Washington Irving, que sustentou que Cristóvão Colombo teve que superar a oposição dos clérigos para obter o patrocínio para sua viagem de exploração. Mais tarde, defensores significativos desta visão foram John William Draper e Andrew Dickson White, que o usaram como um elemento importante na defesa da tese de que havia um conflito duradouro e essencial entre ciência e religião. Estudos subsequentes da ciência medieval mostraram que a maioria dos estudiosos da Idade Média, incluindo aqueles lidos por Cristóvão Colombo, sustentava que a Terra fosse esférica. Estudos das conexões históricas entre ciência e religião demonstraram que as teorias de seu antagonismo mútuo ignoram exemplos de seu apoio mútuo.

Terraplanistas modernos

Mapa plano da Terra desenhado por Orlando Ferguson

em 1893. O mapa contém várias referências

a passagens bíblicas.

 

Na era moderna, a crença pseudocientífica em uma Terra plana foi expressada por uma variedade de indivíduos e grupos:

    O escritor inglês Samuel Rowbotham (1816–1885), escrevendo sob o pseudônimo "Parallax", produziu um panfleto chamado Astronomia Zetética (Zetetic Astronomy) em 1849, defendendo uma Terra plana e publicando resultados de muitas experiências que testaram as curvaturas da água em uma longa drenagem, seguido por outro chamado A inconsistência da Astronomia Moderna e sua Oposição às Escrituras. Um dos seus apoiantes, John Hampden, perdeu uma aposta para  Alfred Russel Wallace no famoso Experimento no Nível de Bedford, tentando provar sua tese. Em 1877, Hampden produziu um livro chamado Um Novo Manual de Cosmografia Bíblica. Rowbotham também produziu estudos que pretendiam mostrar que os efeitos dos navios que desaparecem abaixo do horizonte poderiam ser explicados pelas leis de perspectiva em relação ao olho humano. Em 1883 ele fundou a Zetetic Societies na Inglaterra e em Nova York, a que enviou mil cópias da Zetetic Astronomy.

   William Carpenter, um tipógrafo originalmente de Greenwich, Inglaterra (sede do Observatório Real e central para o estudo da astronomia), foi um defensor de Rowbotham. Carpenter publicou a Astronomia Teórica Examinada e Exposta, onde provava que a Terra não era um globo dividido em oito partes, em 1864, sob o nome Common Sense (Senso Comum). Ele mais tarde emigrou para Baltimore, onde publicou Cem provas de que a Terra não é um Globo, em 1885. Ele disse: "Existem rios que fluem por centenas de quilômetros ao nível do mar sem descer mais do que um poucos pés — notavelmente, o Nilo, que, em mil milhas, cai apenas um pé. Uma extensão de nível desta extensão é bastante incompatível com a idéia da convexidade da Terra. É, portanto, uma prova razoável de que a Terra não é uma globo", bem como "Se a Terra fosse um globo, um pequeno modelo de globo seria bem melhor — porque seria a coisa mais fiel para o navegador levar para o mar com ele. Mas isso não é conhecido: como que um brinquedo como guia, o marinheiro destruiria seu navio, certamente! Esta é uma prova de que a Terra não é um globo".

     John Jasper, um escravo americano tornou-se um pregador prolífico, fez eco dos sentimentos de seu amigo Carpenter em seu sermão mais famoso "Der Sun do move" e "Earth Am Square".

   Em Brockport, Nova York, em 1887, a M.C. Flanders argumentou a questão de uma Terra plana durante três noites contra dois cientistas que defendiam a esfericidade. Cinco cidadãos selecionados como juízes votaram unanimemente por uma Terra plana no final. O caso foi relatado no Brockport Democrat.

   O professor Joseph W. Holden, de Maine, ex-juiz de paz, deu inúmeras palestras na Nova Inglaterra e lecionou sobre a teoria da Terra plana na Exposição Colombiana, em Chicago. Sua fama se estendeu para a Carolina do Norte, onde o Semi-weekly Landmark, de Statesville gravou em sua morte em 1900: "Mantivemos a doutrina de que a terra é plana e nós nos arrependemos muito de saber que um dos nossos membros esteja morto".

      Após a morte de Rowbotham, Elizabeth de Sodington Blount, também conhecida como Elizabeth Anne Mold Williams) criou a Sociedade Zetética Universal em 1893 na Inglaterra e criou também um jornal chamado Earth not a Globe Review, que vendeu pela tuppence, bem como um chamado "Earth", que só durou de 1901 a 1904. Ela sustentava que a Bíblia era a autoridade inquestionável no mundo natural e argumentava que não se podia ser cristão e acreditar que a Terra fosse um globo. Os membros bem conhecidos incluíram E.W. Bullinger, da Sociedade Bíblica Trinitariana, Edward Haughton, moderador sênior em ciências naturais no Trinity College, em Dublim, e um arcebispo. Ela repetiu os experimentos de Rowbotham, gerando alguns contra-experimentos interessantes, mas o interesse diminuiu após a Primeira Guerra Mundial. O movimento deu origem a vários livros que defendiam uma terra plana e estacionária, incluindo a Terra Firma de David Wardlaw Scott.

     Em 1898, durante sua circum-navegação solo do mundo, Joshua Slocum encontrou um grupo de terraplanistas em Durban, África do Sul. Trhee Boers, um deles era clérigo, e apresentou o Slocum com um panfleto no qual eles começaram a provar que o mundo era plano. Paul Kruger, presidente da República do Transvaal, tinha a mesma visão: "Você não quis dizer 'dar a volta ao mundo', é impossível! Você quis dizer 'no' mundo. Impossível!".

   Wilbur Glenn Voliva, que em 1906 tomou sob a Igreja Católica, uma seita pentecostal que estabeleceu uma comunidade utópica em Zion, Illinois, pregou a doutrina da Terra plana a partir de 1915 e usou uma fotografia de um trecho de doze milhas do litoral no lago Winnebago, Wisconsin, levou três pés acima da linha da água para provar seu ponto. Quando a aeronave Itália desapareceu em uma expedição ao Polo Norte em 1928, ele advertiu à imprensa mundial que tinha navegado ao longo do mundo. Ele ofereceu um prêmio de 5.000 dólares americanos para provar que a Terra não era plana, sob as próprias condições. Ensinar uma Terra globular foi banido nas escolas de Zion e a mensagem foi transmitida em sua estação de rádio WCBD.

Sociedade Terra Plana

As projeções azimutais equidistantes da esfera como esta também foram cooptadas como imagens do modelo plano da Terra que descreve a Antártica como uma parede de gelo em torno de uma Terra em forma de disco.

 

Em 1956, Samuel Shenton criou a International Flat Earth Research Society (IFERS), mais conhecida como Flat Earth Society (Sociedade da Terra Plana), em Dover, Reino Unido, como descendente direto da Universal Zetetic Society. Isso foi logo antes da União Soviética lançar o primeiro satélite artificial, o Sputnik; ele respondeu: "Navegaria pela Ilha de Wight e provaria que [a Terra] era esférica? O mesmo vale para aqueles satélites". Seu principal objetivo era atingir crianças antes de serem convencidas sobre uma Terra esférica. Apesar de muita publicidade, a corrida espacial corroeu o apoio de Shenton na Grã-Bretanha até 1967, quando ele começou a se tornar famoso devido ao programa Apollo.

Novo mapa da superfície plana da Terra estacionária,

por Abizaid, John George (1920).

 

Em 1972, Samuel Shenton foi contratado por Charles K. Johnson, um correspondente da Califórnia. Ele incorporou o IFERS e firmou uma associação com cerca de 3.000 membros. Shanton passou anos examinando os estudos das teorias da Terra plana e redonda e propôs evidências de uma conspiração contra a Terra plana: "A idéia de um globo giratório é apenas uma conspiração de erro por qual Moisés, Colombo e todos os FDR lutaram…" Seu O artigo foi publicado na revista Science Digest, em 1980. Continuava a indicar: "Se é uma esfera, a superfície de um grande corpo de água deve ser curvada. Os Johnsons verificaram as superfícies do Lago Tahoe e do Mar de Salton sem detectar qualquer curvatura".

Em contrapartida, em 7 de janeiro de 1958, o então presidente dos Estados Unidos, Lyndon Baines Johnson, na Declaração sobre o Status da Defesa da Nação e Corrida Espacial, declarou: O controle do espaço significa controle do mundo. Do espaço, os mestres do infinito teriam o poder de controlar o clima da Terra, causarem secas e inundações, para mudar as marés e elevar os níveis do mar, para desviar o fluxo do golfo e mudar os climas temperados em frígidos. Há algo mais importante do que a arma final. E essa é a posição final. A posição de controle total sobre a Terra que se encontra em algum lugar no espaço exterior...

A Sociedade declinou na década de 1990 após um incêndio em sua sede na Califórnia, e a morte repentina de Johnson em 2001. Mas foi revivida como um site em 2004 por Daniel Shenton (que apesar do sobrenome não tinha nenhuma relação parentesca com Samuel Shenton). Daniel Shenton acredita que ninguém tenha fornecido provas de que o mundo não seja plano.

Ressurgimento na era das celebridades e mídias sociais

Na era moderna, a disponibilidade tecnológica de comunicações e mídia social como o YouTubeFacebook, Whatsaap e Twitter tornaram mais fácil para indivíduos, famosos ou não, em espalhar informação e, consequentemente, desinformação a fim de atrair outras pessoas para as suas idéias. Um dos temas que floresceram neste ambiente é a da Terra plana.

No dia 27 de junho de 2017 o grupo de hackers Anonymous defendeu a Terra plana, num vídeo em que contesta todas as informações que se conhece sobre o universo. A Terra, por exemplo, seria plana, e a gravidade, uma mentira!

Nos últimos dois anos, o grupo de terraplanistas tem crescido muito. Eu lhes garanto que existe um motivo para isso: se a teoria da Terra plana não tivesse nenhum mérito, não teria durado mais do que dois meses na internet.

Com estas frases os hackers iniciam o vídeo, que ainda alega que 90% da população mundial está dormindo em sono profundo [na Matrix], já que muitas pessoas ainda estariam sob a influência da grande mídia. Ainda segundo eles, a organização (NASA) receberia inúmeros incentivos fiscais para divulgar apenas imagens de "desenhos animados".

eclipse solar de 21 de agosto de 2017, deu origem a inúmeros vídeos no YouTube desde os que pretendiam mostrar com os detalhes do eclipse para provar a terra seria de fato plana, até os que contra-argumentavam, seguindo as explicações tradicionais acadêmicas e das agências espaciais, como a NASA. Também em 2017, um escândalo desenvolvido nos círculos científicos e educacionais árabes ocorreu quando um estudante em PhD da Tunísia apresentou uma tese declarando que a Terra fosse plana, imóvel, no centro do universo, e tendo apenas 13.500 anos de idade.

Em Setembro de 2017, o rapper norte-americano B.o.B deu início a uma campanha “Go Fund Me” no intuito de provar cientificamente que a Terra é plana, ou descobrir a curvatura do planeta, alegando que se o planeta tivesse a forma circular, seria possível perceber isso a olho nu. Para esse efeito, o artista pretende lançar satélites no espaço, numa operação no valor de 200 mil dólares, dependente também da autorização das autoridades, tendo criado uma página no Facebook intitulada "Show BoB The Curve".

Referências culturais

O termo "terraplanista" é frequentemente usado num sentido depreciativo para titular qualquer um que detém visões antiquadas. O primeiro uso do termo "terra plana" registrado pelo Oxford English Dictionary está em 1934 na Punch. O termo "homem-terra-plana" foi gravado em 1908: "Menos votos do que se poderia ter pensado possível para qualquer candidato humano, fosse ele mesmo um homem-terra-plana."

Os defensores mais famosos da teoria da Terra plana são, dentre outros: o rapper norte-americano B.o.B (1988), o teorista William Carpenter (1830–96), o jogador profissional de basquete norte-americano Kyrie Irving (1992–), presidente da International Flat Earth Research Society, Charles K. Johnson (1924–2001), o presidente da República Sul-Africana e líder da resistência bôerPaul Kruger (1825–1904), o escritor Samuel Rowbotham (1816–84; pseudônimo "Parallax"), o fundador da Flat Earth Society, Samuel Shenton (1903–71), o evangelista Wilbur Glenn Voliva (1870–1942), David Wolfe (1970–).

Sátira científica

Em uma peça satírica publicada 1996, Albert A. Bartlett usa aritmética para mostrar que o crescimento sustentável na Terra é impossível em uma Terra esférica já que seus recursos são necessariamente finitos. Ele explica que apenas o modelo de uma Terra plana, estendendo-se infinitamente nas duas dimensões horizontais e também no sentido descendente vertical, seria capaz de acomodar as necessidades de uma população crescente de forma permanente.

Referindo-se a Julian Simon no livro The Ultimate Resource, Bartlett sugere: "Então, vamos pensar em 'Vamos crescer os limites! pessoal da 'New Flat Earth Society'." A natureza satírica da peça também deixou claro por uma comparação com outras publicações de Bartlett, principalmente ao defender a necessidade de controlar o crescimento populacional.

A “ciência” da Terra plana

A idéia de que não vivemos em uma esfera está cada vez mais popular. Entenda aqui por que os terraplanistas estão redondamente enganados:

O homem nunca pisou na Lua. As imagens produzidas pela Nasa não passam de obras de computação gráfica. A ciência manipula a realidade de acordo com os interesses dos poderosos. Alguma dessas suposições parece familiar? É bem provável que sim...

E, agora, mais do que em muito tempo. Após ganharem um banho de loja, muita divagação teórica e um número ainda maior de vídeos na internet, tais idéias estão de volta sob uma nova bandeira: a dos terraplanistas. Quase 50 anos depois do lançamento da Apollo 11, e 500 após a circunavegação de Fernão de Magalhães, cada vez mais gente acredita que a Terra não é um globo. Em vez disso, ela seria uma pizza gigante – um disco coberto por uma redoma invisível e cercado por um paredão de gelo. Também estaria parada, deitada eternamente em berço esplêndido no centro do Universo.

Data do final do século 19 o primeiro lampejo moderno sobre a eventual platitude da Terra. O marco é o ano de 1881, quando Samuel Rowbotham publicou Astronomia Zetética – A Terra não é um globo, um apanhado de décadas de estudos na área e interpretações literais de passagens da Bíblia. Sob o pseudônimo “Paralaxe”, o inventor inglês tomou para si uma missão ousada: revelar as “mentiras” cultivadas pela ciência, responsável por esconder o real formato de nossa casa.

Rowbotham começa sua obra tentando refutar a evidência prática mais antiga da curvatura terrestre. Segundo ele, experimentos como o do grego Eratóstenes, nascido em 276 a.C., que conseguiu medir a circunferência da Terra, contariam com um erro crasso: considerar o Sol como um astro enorme e distante da Terra. Eratóstenes mediu a circunferência do planeta comparando os ângulos com que a luz do Sol incidia em dois postes instalados em duas cidades distantes. Supondo acertadamente que o Sol é grande (e longínquo) o bastante para que seus raios cheguem à Terra sempre paralelos uns aos outros, ele concluiu que o que causava a diferença entre os ângulos nos postes só poderia ser uma (até então) suposta curvatura da Terra. Com os dados na mão, Eratóstenes calculou que o planeta é uma esfera com 39,7 mil quilômetros de circunferência. Uma precisão absurda para 2 mil anos atrás: a medida real é de 40 mil quilômetros.

Terra chata

Para os terraplanistas, o Sol e a Lua são bolas do tamanho de cidades, o planeta é cercado por uma muralha de gelo e a gravidade… Bom, a gravidade não existe!

Passados quase 500 anos da expedição do navegador português Fernão de Magalhães ao redor do mundo e quase 50 anos do lançamento da missão espacial Apollo 11, muitas pessoas ainda acreditam que a Terra não é redonda, mas um disco coberto por uma redoma invisível e cercado por uma enorme muralha de gelo.

A teoria da Terra plana, que vem sendo fortemente propagada nas redes sociais nos últimos meses, não é novidade, como vimos... Por volta do século 16 a.C, os egípcios e mesopotâmios já falam na possibilidade de uma Terra plana, acreditando ser um disco flutuando no oceano. Na época, é claro, a ciência não era avançada.

Mas, mesmo com todas descobertas científicas dos últimos anos, os adeptos da teoria (terraplanistas) seguem firmes na convicção de que a Terra não é esférica. A diferença é que, se antes a teoria estava restrita aos debates acadêmicos, hoje ela atingiu em cheio as redes sociais, caindo na “boca do povo”, dito evangélico...

Por que insistem em dizer que a Terra é plana?

O principal expoente das idéias da teoria é a “Flat Earth Society”. Fundada em 1956 pelo inglês Samuel Shentonem, a organização se fundamenta, em parte, na Bíblia (que, em algumas passagens, apontaria para a existência de uma Terra plana; usando-se uma Escritura pentecostal, tipo “almeidas”) e, em outra parte, sobre uma abordagem empírica, deles...

A abordagem empírica é baseada na observação restrita, pré-concebida. Para a “Flat Earth Society”, confiar nos próprios sentidos é essencial para discernir a verdadeira natureza do mundo que nos rodeia. Se o mundo é plano, o fundo das nuvens é plano, o movimento do sol é plano, não haveria como acreditar em uma Terra esférica.

Mas para eles, “redondo” é somente o DOMO que cobre a “pizza”, digo, a “terra”. E, assim, com este DOMO, tudo se explica: um sol redondo, movimento circular do nascer e se pôr do sol e da lua; a noite e o dia; fusos horários; os diferentes tamanhos de sombras e posições, durante o dia e em locais diferentes, etc. Enfim... tudo que conhecemos – digo, a ciência nos ensina – para eles, o DOMO explica e NADA que possamos refutar, tira a “certeza” deles sobre uma conspiração satânica, via NOM – Nova Ordem Mundial – a qual chamam de MATRIX, e todos nós (os enganados e não enganado) estaríamos presos nesta ‘consporação’...

Sendo assim, parece-nos que a solução seria o famigerado e utópico “arrebatamento pentecostal” para podermos sai deste DOMO!!!

Quando pensamos em evidências de que a Terra é redonda, costumamos dizer que aprendemos assim na escola ou mesmo apontar fotografias retiradas durante missões espaciais. Em nosso cotidiano, no ritmo acelerado de nossas vidas, realmente não há como notar que a Terra é esférica.

Isso leva algumas pessoas a realmente acreditar que a Terra é plana. Afinal, quando olhamos ao nosso redor, estamos enxergando um mundo plano. Os terraplanistas perceberam esta fragilidade e, a partir dela, construíram argumentos minimamente críveis para fundamentá-la.

Embora o empirismo seja um método útil para diversas áreas do conhecimento, reconhecer sua validade no campo da astronomia é temerário. Colocar uma régua no horizonte, na praia, não prova que a Terra é plana. Nosso planeta é tão grande que é impossível perceber sua curva de uma distância pequena.

Precisamos ir mais longe para perceber a curva. É preciso atingir em torno de 60.000 pés (18.000 metros acima do nível do mar) para ver a curvatura da Terra. O avião comercial supersônico Concorde, produzido pela British Aircraft Corporation e pela Aérospatiale, conseguiu esta façanha na década de 70.

Por razões financeiras, muitos de nós jamais teremos a oportunidade de viajar em novos Concordes ou ir ao espaço para conferir a curva com nossos próprios olhos. Contudo, não é preciso ir tão longe para entender por que os argumentos dos terraplanistas simplesmente não convencem.

1. Se a Terra é plana, por que ninguém jamais viu a muralha de gelo?

De acordo com os terraplanistas, a Terra tem a forma de um disco. No modelo aceito entre os membros da “Flat Earth Society”, o Ártico está no centro do disco, enquanto a Antártica é a parede ao redor da borda. Assim, o planeta estaria cercado, de todos os lados, por uma parede de gelo que retém os oceanos.

A Antártica seria uma grande muralha de gelo que circunda a Terra, cuja função é manter os oceanos, impedindo que se espalhem por toda a Terra, e nos proteger de tudo que estiver além deles. Na imagem a seguir vemos um modelo de Terra plana, embora, segundo os terraplanistas, a versão não seja definitiva:

O modelo de Terra plana

Os terraplanistas propõem a existência de um muro de gelo, mas não sabem exatamente até onde o gelo se estende, como ele termina e o que existe além dele. Para eles, o gelo se estende mais longe do que o olho humano ou o telescópio podem alcançar. Ao final, tudo que está além do gelo é mera especulação.

A grande muralha de gelo.

A visão mais comum é que a parede de gelo sobe em torno de 45 metros acima do nível do mar, evitando que o oceano derrame sobre a borda da Terra. Já alguns acreditam que o muro seja maior, com até 15,24 Km de altura. O tamanho exato da parede de gelo varia entre os terraplanistas.

Segundo os adeptos da teoria, o muro de gelo seria impossível de ser atravessado por qualquer humano por dois motivos. Primeiro, pela quantidade praticamente perpétua de gelo. Segundo, o que talvez soe mais surpreendente, por existir um grande número de “militares” [da Matrix] vigiando a Antártida.

Os terraplanistas não sabem até onde o gelo se estende

e o que existe além dele.

 

Em outras palavras: membros das forças armadas (sobretudo dos Estados Unidos) estariam diariamente se certificando que ninguém atravesse a muralha de gelo. Contudo, o argumento desconsidera que a superfície da Antártida tem aproximadamente 14.000.000 km²; mas, repito, este contra argumento não vale para eles, pois procedem das nossas observações globalistas!

Quantos milhares de militares seriam necessários para proteger toda esta extensão? Quantos bilhões de dólares seriam gastos para custear o armamento, alimentação e estadia dos militares para que ninguém pise no gelo? E por que ninguém até hoje conseguiu fotografar estes vigilantes ou até mesmo a logística necessária para tal feito e, até mesmo, manter TUDO secreto, a nível mundial? Os terraplanistas não sabem responder!

2. Se a Terra é plana, por que conseguimos circum-navegá-la?

No modelo plano da Terra, não sabemos o que está do outro lado. Logo, não somos capazes de circum-navegar o globo, pois nos deparamos com o muro de gelo e, passado este ponto, tudo morre.

Para os terraplanistas, dar a “volta ao mundo”

seria se mover em círculo ao redor do Polo Norte.

 

O argumento dos terraplanistas desconsidera, contudo, a conquista de Fernão de Magalhães, que circum-navegou o globo no século XVI; quando ainda não havia a NASA, o principal inimigo dos terraplanistas. A serviço do rei Carlos I, o navegador português saiu da Espanha em 1519, contornou o ponto sul da América do Sul (hoje chamado de Estreito de Magalhães) até as Filipinas.

Magalhães acabou sendo morto nas Filipinas, mas a expedição foi chefiada por Juan Sebastián Elcano e concluída em 1522. Como se vê a seguir, o navegador não chegou a passar pelo topo da América do Norte, Europa e Ásia. Se a Terra fosse plana, o navegador teria de passar por cima destes continentes:

A rota da expedição de Fernão de Magalhães

 

3. Se a Terra é plana, por que as fotografias do espaço revelam o contrário?

Os terraplanistas acreditam que as agências espaciais do mundo estão envolvidas em uma conspiração para fingir viagens e explorações no cosmos. As falsificações teriam iniciado durante a Guerra Fria, quando se intensificou a corrida espacial entre os Estados Unidos e a URSS. EUA e URSS unidos nestes propósitos?

Segundo os adeptos da teoria, os países estariam tão obcecados por vencer a corrida que fingiram suas conquistas, na tentativa de acompanhar as supostas realizações do outro. Num eterno “engana que eu gosto”! A lendária fotografia retirada na superfície da Lua, em 1969, teria sido forjada pela NASA para superar a URSS na disputa; que “inocentemente” acreditou...

Fotografia retirada na superfície da Lua, durante a missão Apollo 11

 

No entanto, afirmar que as fotos da NASA são falsas esbarra em um detalhe muito importante: a NASA não é a única agência espacial do mundo. Hoje, recebendo em torno de 0,4% de recursos do governo norte americano (10% a menos que na época das missões Apollo), nem é mais a principal agência. Além das demais agências de outros países concorrentes nas explorações espaciais... Tudo uma MATRIX, para  os terraplanistas; também este “argumento” não os convence...

O argumento dos terraplanistas pressupõe que todas as agências espaciais do mundo teriam se juntado para forjar fotografias da Terra vista do espaço, o que não faz sentido. Além disso, equivaleria a dizer que até os vídeos gravados a bordo da Estação Espacial Internacional seria forjado em tempo real. Para manter você neste engodo globalista

Como forma de rebater a crítica, os adeptos da teoria da Terra plana insistem em dizer que algumas fotografias foram registradas com as chamadas lentes “olho de peixe”, cuja principal característica é proporcionar um ângulo de 180º, resultando em uma imagem com grande distorção óptica.

Porém, embora algumas fotografias tenham sido de fato retiradas com as lentes “olho de peixe”, os astronautas das missão Apolo registraram outras imagens da Terra quando estavam a 200.000 km de distância. E, nestas ocasiões, usam câmeras teleobjetivas, que oferecem alta qualidade nas imagens.

Ainda que as fotografias de todas as agências espaciais fossem falsas, há experimentos com balões meteorológicos que apresentam a curvatura da Terra. Estudantes da Universidade de Leicester recentemente capturaram imagens da estratosfera usando um balão meteorológico a uma altitude de 23.600 metros: Mais uma da MATRIX?

O balão meteorológico chegou a uma altitude de 23.600m

 

4. Se a Terra é plana, por que conseguimos ver a curvatura da janela dos aviões?

Supondo que tanto as fotografias das agências espaciais quanto do balão meteorológico sejam falsas, o que dizer da percepção de passageiros a bordo de aviões sobre a curvatura da Terra? Ou mesmo de pilotos de aeronaves militares, que chegaram a altitudes elevadas e conseguiram enxergar a curva do planeta?

Bem, os aviões comerciais voam a uma altitude de 11.000 metros. A esta distância vertical, não é possível observar a curvatura da Terra. Mas há aviões comerciais e aeronaves militares que podem escalar maiores altitudes. Nestes casos, quando o passageiro vê a Terra da janela, a curvatura da Terra é clara.

Para os terraplanistas, as janelas do avião

distorcem a percepção dos passageiros

 

Ainda assim, os terraplanistas têm um argumento pronto para estas situações: as janelas do avião é que são curvas! O vidro curvo sempre mostra uma imagem curva, distorcendo a percepção. Logo, mesmo a bordo de um Concorde, o passageiro teria uma falsa impressão da realidade pela curvatura da janela. Provar que a janela tem superfície curva, nem pensar, né?

5. Se a Terra é plana, por que vemos os navios desaparecendo no horizonte?

Afinal, se a Terra é plana, por que nossa visão não ultrapassa o horizonte? Por que não conseguimos enxergar o monte Everest, cuja altitude é de 8.844 m? De acordo com os terraplanistas, não conseguimos enxergar além do horizonte em decorrência da neblina e da limitação da visão humana...

Se a Terra é plana, por que a nossa visão não ultrapassa o horizonte?

 

Contudo, o argumento não faz qualquer sentido, já que conseguimos enxergar estrelas localizadas a 40 trilhões de quilômetros de distância (4,3 anos-luz). Nossa visão não ultrapassa no horizonte por causa da curvatura da Terra, embora os terraplanistas insistam em não reconhecer o aspecto. E, as estrelas, não estão longe, para eles, pois nem mesmo o tamanho que alegamos que elas têm, é verdade! Seriam apenas pontos colocados nos DOMO! O próprio SOL e a LUA são extremamente menores, para eles...

É possível comprovar a curvatura da Terra pela sequência de desaparecimento de um grande navio no horizonte. Se você observar os navios que se afastam no horizonte, perceberá que eles nunca desaparecem de uma só vez, mas sempre de baixo para cima. Isso acontece porque a Terra é redonda.

À medida que a embarcação desaparece no horizonte, algumas estruturas vão sumindo antes de outras. Primeiro, some o casco, depois o mastro, até o navio sumir totalmente. Na realidade, a embarcação desaparece de nosso campo de visão por causa da curvatura arredondada de planeta.

Na lógica de uma Terra Plana, deveríamos conseguir

ver o monte Everest de qualquer lugar

 

Em uma Terra Plana, se você estivesse a bordo de um navio e avistasse o monte Everest, você já o enxergaria por completo. E à medida que se aproximasse dele, perceberia ele aumentando de tamanho; cada vez mais nítido, porém, sempre “inteiro”! Mas não é o que acontece: você começa a ver os pontos mais altos e gradualmente enxerga o monte todo... Mas, se você for até o litoral [nem precisaria, basta ‘subir’ em um ponto mais alto] e usando uma super luneta – dizem que não temos esta tecnologia disponível para construir esta luneta – veríamos a África do lado de lá do Atlântico!

6. Se a Terra é plana, por que existem dias, noites e estações do ano?

Segundo os adeptos da teoria da Terra plana, o sol se move em círculos em torno do Polo Norte. Logo, quando ilumina o país que você reside, é dia. Quando não ilumina o local em que você está, é a noite. O gif abaixo ilustraria como o sol se move e como as estações funcionam em uma Terra plana:

Apesar da insistência dos terraplanistas, as estações do ano existem por causa da inclinação do eixo da Terra. Em uma Terra plana, a inclinação não existiria. A posição do sol seria a mesma em relação ao solo. A iluminação solar seria idêntica em todas as épocas do ano, havendo uma única estação. E todas estas características, fazem com que as estações sejam “invertidas” entre os hemisférios; mas isto eles não explicam

Apenas um planeta em forma de globo justificaria a diferente posição do sol em duas cidades a poucos metros de distância. Em uma Terra plana, também não haveria diferença entre o comprimento das sombras. O matemático Erastóstenes demonstrou, em 276 a. C., que as sombras variam conforme a posição dos corpos.

Se a Terra fosse plana, os raios solares iluminariam o planeta sob o mesmo ângulo. E todos os corpos projetariam sombras iguais no mesmo momento; no momento em que ele, o Sol, estivesse a pino [neste instante, seria meio dia em todo o planeta. No entanto, a existência de objetos projetando sombras diferentes em lugares diferentes no mesmo horário comprova que a Terra é redonda. Mas, para eles, a trajetória do Sol é circular, em torno do pólo Norte! E, como eles alegam que a trajetória é circular – e não uma trajetória do tipo Leste/Oeste – os fusos horários são em forma de raios, como nas rodas de bicicletas. No entanto, se assim fosse, obrigatoriamente, ao meio dia, a sombra teria que ser inclinada e não praticamente inexistente neste horário!

Erastóstenes demonstrou que as sombras

variam conforme a posição dos corpos

 

O mesmo vale para os ciclos de dia e de noite. As varias regiões do mundo estão em horários diferentes em virtude da curvatura do planeta. Se a Terra fosse plana, pessoas do Brasil e do Japão enxergariam o sol nascer (e se pôr) ao mesmo tempo. E sabemos que isso não ocorre na realidade.

7. Se a Terra é plana, por que todos os demais planetas são redondos?

As constelações são visíveis a partir de diferentes latitudes. A constelação Cruzeiro do Sul, considerada uma das mais facilmente reconhecíveis, é a mais vista no hemisfério sul. Já no hemisfério norte, podemos enxergá-la apenas no arquipélago Florida Keys, nos Estados Unidos.

Essas diferentes perspectivas só fazem sentido se imaginarmos a Terra como um globo. Nesta lógica, olhar “para cima” realmente significa olhar para uma faixa de espaço diferente no hemisfério sul e ou norte.

Se a Terra fosse plana, poderíamos ver as mesmas constelações de qualquer lugar do planeta.

Finalmente, se a Terra é plana, todos os demais planetas não deveriam ser planos também? Por que planetas “vizinhos” como Marte e Vênus, facilmente observáveis por telescópios, são redondos (ou não?)?

O que faz a Terra ser tão especial para apresentar uma forma diversa de todo sistema solar?

Se a Terra é plana, por que todos os demais planetas são redondos?

 

A Terra não é diferente. Nosso planeta não é plano por um simples motivo: a gravidade. Embora a gravidade seja uma força fundamental do Universo, os terraplanistas não a reconhecem como tal, preferindo acreditar que a densidade de nossos corpos é que nos mantêm sobre a Terra.

Mas nosso planeta é redondo, sim, por causa da gravidade. Em uma esfera, todos os pontos da superfície ficam na mesma distância do centro e recebem a mesma forma gravitacional. Essa é a forma ideal para distribuir a matéria e a que consome menos energia.

Em suma, é a forma mais fácil que o Universo [o Criador] encontrou para existir.

Mas como seria se a Terra fosse plana e também obedecesse às leis de Isaac Newton (ou ele também pertence à Matrix?)?

E então?

Existem outros argumentos apresentados pelos terraplanistas para justificar suas convicções, sendo a maioria provenientes de metodologia empírica (baseada em observações), deles...

Um Modelo:

TP: Modelo terraplanista

VR: Vida real

1. ANTÁRTIDA

TP Para quem acredita que a Terra é plana, a Antártida é um paredão de gelo que serve de moldura para a superfície terrestre, segurando a água dos oceanos. Eles dizem que o Tratado da Antártida, de 1959, existe para esconder esse “fato”.

VR Tem quase o dobro da área do Brasil (14 milhões de m²). E o Tratado, assinado por 52 países, estabeleceu-a como território neutro, dedicado à ciência.

2. HORIZONTE

TP Se a Terra é plana, por que a nossa visão não ultrapassa o horizonte? A desculpa aí envolve a neblina e uma suposta limitação da visão humana – o que não faz sentido, já que vemos estrelas a olho nu, e a mais próxima está a 40 trilhões de km (4,3 anos-luz).

VR Alguém com 1,80 m no nível do mar só consegue enxergar a uma distância de 5 km. Dá para comprovar a curvatura da Terra pela sequência de desaparecimento de uma embarcação no horizonte: a parte que some primeiro é a popa, depois a vela.

3. GRAVIDADE

TP Não existe. Só estaríamos presos ao chão por conta de uma força misteriosa que puxa a Terra para cima a uma aceleração constante de 9,8 m/s² – a mesma da gravidade. Seria como se estivéssemos dentro de um elevador gigante, presos ao chão.

VR Existe, claro. E mais: corpos celestes são redondos justamente por causa da gravidade. A massa gera um campo que suga tudo para o centro, moldando-os como esferas.

4. LUA

TP Tem 51, 5 km e descreve sua órbita a 5 mil km do chão.

VR A Lua é só quatro vezes menor que a Terra (com 3.476 km de diâmetro) e está a 384.400 km de distância.

ECLIPSES LUNARES

TP Uma Terra plana não faria sombra. Como explicar os eclipses lunares, então? Uma hipótese diz que o céu tem um “objeto de sombra”. A Lua se esconderia quando esse objeto cortasse seu caminho.

VR São fruto da sombra da Terra projetada na Lua, claro.

5. SOL

TP Tem 51,5 km de diâmetro e fica a 5 mil km de altitude. Funciona como se fosse uma lanterna: ilumina cada porção do planeta em momentos determinados. Ou seja: quando o Sol brilha sobre sua cabeça, é dia. Quando ele está longe, é noite. Simples assim.

VR O Sol tem 1,3 milhão de km de diâmetro (108 vezes mais do que a Terra), e está 149,6 milhões de km distante.

ESTAÇÕES DO ANO

TP Em diferentes momentos do ano, o Sol terraplanista assume órbitas diferentes – se aproximando ou se afastando de cada trópico. E isso estabelece as estações do ano. O raio da trajetória é maior quando o Sol está no “anel norte” e menor quanto está no “anel sul” (veja lá embaixo).

VR Você sabe: por conta do movimento de translação e do eixo de rotação da Terra (inclinado a 23,5 graus), cada hemisfério recebe mais luz solar em determinados períodos do ano. Quando é inverno na parte do sul, é verão no Hemisfério Norte, e vice-versa.

6. MAGNETISMO

TP Alguns terraplanistas defendem que o centro da Terra plana (o Polo Norte) abriga uma montanha magnética que seria a responsável por atrair as agulhas das bússolas. E mais do que isso: para manter o Sol, a Lua e as estrelas em volta do “disco planetário”.

VR Os polos magnéticos estão próximos aos polos geográficos. No centro da Terra, onde as temperaturas podem chegar a 6.000 ºC, existe ferro e níquel em estado líquido. Esse fluido, em constante movimento, gera as correntes elétricas responsáveis pelo campo magnético.

7. ATMOSFERA

TP Os terraplanistas a chamam de atmosplana ou atmocamada – note que “atmosfera” faz referência a um formato esférico, coisa que eles abominam.

VR A camada de gases que envolve nosso planeta fica presa aqui por conta da gravidade, outro conceito que os terraplanistas não curtem.

DOMO

TP É o que nos isola do resto do Universo (seja lá o que exista além da Terra plana).

VR Não existe.

8. MONTANHAS E VULCÕES

TP Abaixo da crosta, haveria uma pressão agindo na Terra plana, resultado da aceleração que ela sofreria para simular a gravidade. Tal movimento teria criado um vasto oceano de magma no manto terrestre, o que justificaria os vulcões.

VR O interior do planeta é instável. Os vulcões e o movimento das massas continentais são os resultados mais notórios desse fato.

A. ATLAS

O mapa-múndi terraplanista usa a projeção azimutal, igual à do símbolo da ONU

B. ESTRELAS

TP Estrelas seriam basicamente lâmpadas de LED: fontes luminosas a poucos milhares de km da Terra.

C. EQUADOR

TP Esta região seria mais quente que a dos polos por estar diretamente abaixo do mini-Sol.

***

Bom, para negar a circunferência da Terra, Rowbotham começou negando Eratóstenes. Criou um modelo teórico em que o Sol não é grande nem está longe – seria uma bola de fogo alguns quilômetros acima das nossas cabeças. Isso permitia, segundo suas contas, que a Terra fosse plana.

Rowbotham não teve tempo de cumprir o legado messiânico que sua última obra criaria, já que morreu três anos depois da publicação de seu livro. Mas a semente estava plantada. Nomes como Wilbur Glenn Voliva, Samuel Shenton e Charles K. Johnson – esses dois últimos, fundadores da Sociedade da Terra Plana (Flat Earth Society) – , deram sequência aos estudos do mestre, espalhando a palavra “ terraplanista” (flat earther) nos Estados Unidos da metade do século 20. Rachas internos deixaram a Sociedade da Terra Plana de molho por umas boas décadas. Em 2009, porém, ela ressurgiu das cinzas e voltou a receber novos membros – e agora faz mais barulho do que nunca.

Parte dessa nova onda terraplanista passa pelo nome de um novo guru, Eric Dubay. Ele é o fundador-presidente da Sociedade Internacional de Pesquisa sobre a Terra Plana e se define como “um americano de 35 anos que vive na Tailândia, onde ensina ioga – tinha que ser -meio período e divulga a nova ordem mundial em tempo integral”. Entre textões conspiracionistas sobre maçonaria e os Illuminatis, Eric destaca-se pelo trabalho hercúleo de conseguir traduções em 18 idiomas (incluindo árabe, lituano e letoniano) para sua obra seminal 200 Provas de que a Terra não é uma Bola Giratória – transformada, também, em um vídeo de mais de duas horas de duração para seu canal no YouTube.

No Brasil, um dos terraplanistas mais proeminentes é Jota Marthins, dono do Sem Hipocrisia, um canal do YouTube dedicado ao terraplanismo e outras teorias conspiratórias. O objetivo de Marthins é revelar “a farsa da bola molhada giratória”, forma como costuma se referir ao modelo vigente. O paulistano conta com mais de 50 mil inscritos e já obteve mais de 11 milhões de visualizações em seus vídeos – por essas, ganhou o apelido de “Rowbotham brasileiro”.

Sua maior obra, no entanto, é outra: o livro O Universo que não te Apresentaram – Expondo a Maior Mentira da Humanidade, publicação independente comercializada a R$ 70. Caro? Para ele, não: “Em um mundo onde pessoas pagam R$ 350 em obras de ficção científica como as de Carl Sagan, fica difícil calcular o valor para um livro que expõe a verdade”, diz.

As “verdades” reivindicadas pelos terraplanistas se resumem a tentativas de refutar conceitos provados e comprovados por mais de 2 mil anos de ciência. Mas isso não é necessariamente um problema. Para tudo que você quiser questionar, sempre haverá resposta. Por exemplo: a gravitação impede que corpos celestes com uma massa razoável, como a Terra, tenham forma de pizza. Se você pegar uma impressora 3D do tamanho de Júpiter e imprimir uma Terra plana, a gravidade vai puxar as bordas da estrutura para o centro e aglutinar tudo. E em pouco tempo você terá uma Terra redonda, tal qual esta aqui. Se o nosso planeta é plano, então, por que é que ele não colapsa à mercê da gravidade? Fácil. Para os terraplanistas a gravidade não existe. Uma das teorias deles é que a gente só fica preso ao chão porque a Terra acelera espaço adentro, como um elevador gigante, e isso criaria a sensação de gravidade.

Outro enigma da Terra plana é o continente antártico. O Polo Sul do globo, em sua versão amassada, assumiria uma configuração peculiar. Mais do que o controle do nível dos mares, o murão também delimitaria até onde a curiosidade humana tem o direito de se estender. Os segredos que estão fora dessa prisão de segurança máxima ficam a cargo de forças militares internacionais, que estariam resguardando as águas da região, prontos para conter a investida de espertinhos.

Mas o que exatamente impediria alguém com espírito aventureiro de se libertar dessas amarras e matar a maior charada da humanidade por si só? “Esse é um movimento de quem nunca saiu da cadeira, não tirou o pijama”, diz Amyr Klink, velejador brasileiro que viaja para a Antártida todo ano, há pelo menos 30 anos. Segundo o capitão (e toda a ciência já produzida), nada de parede de gelo com altura de prédio de 15 andares ou exércitos garantidores da ordem mundial no continente gelado. “Não sei por que ainda damos ouvidos a um discurso tão equivocado.”

Calma, Amyr, não damos ouvidos... Mas mostrar como os terraplanistas imaginam o planeta serve não só como exercício de fantasia, mas também para ilustrar como funcionam certos conceitos básicos da ciência, a começar pela física newtoniana - veja a ilustração abaixo com os prédios inclinados à medida que se aproximam da borda, o que mostra o quão absurda seria a gravitação de um planeta em forma de pizza.

Mesmo assim, diga-se, há terraplanistas que sonham em usar a ciência a seu favor, e ver se um dia conseguirão provar a quadratura do círculo com métodos consagrados. É o caso de B.o.B., rapper americano e membro honorário da Sociedade da Terra Plana. Ele resolveu se mexer e lançou o projeto de financiamento coletivo “Mostre a curvatura para o B.o.B.”, que estabeleceu a meta ousada de juntar US$ 1 milhão para a compra de satélites e balões atmosféricos, a serem utilizados em estudos terraplanistas. Até o meio de outubro, a campanha havia arrecadado apenas US$ 6 mil. Bom sinal...

Terra ainda mais chata

A vida numa Terra plana, de acordo com a física newtoniana, seria um perrengue.

Este mundo, e todos os outros, são redondos porque a gravidade os fez assim. Mas como seria se a Terra fosse plana e também obedecesse às leis de Isaac Newton? Veja

1. O formato de disco faria a gravidade atuar de maneira não uniforme. Em uma Terra plana, quanto mais você andasse em direção às bordas, mais a gravidade puxaria você de volta ao centro.

2. Caminhar até as bordas, então, seria como escalar uma montanha que vai ficando mais íngreme.

3. Os prédios teriam de ser cada vez mais inclinados para ir compensando essa influência. Perto da borda, você teria de se segurar para não entrar em queda livre.

4. Ufa. Se você atravessasse a borda, seus problemas acabariam. Na “lateral” da Terra plana, o puxão gravitacional voltaria a ser o de sempre: no sentido do solo.

Terra plena: Portanto, por que a teoria da Terra plana não faz nenhum sentido

Porque... A idéia de uma Terra esférica seria parte do complô criado pelas mais poderosas instituições da Matrix (só por usarem este argumento utópico (paranóico), já demonstra que não podemos levar à serio tais terraplanistas – Mt 7:6... Pena que a ciência é maior do que tais teorias da conspiração!

TÁTICA DE SILÊNCIO: Instituições de grande poder estariam manipulando resultados científicos e outras provas para manter a visão do planeta redondo. Fotos da Nasa? Mera ficção. Os terraplanistas defendem ainda que a ciência se tornou teórica demais e empírica de menos, e dizem que isso é inaceitável, justamente porque dificultaria a comprovação de uma Terra plana

CIÊNCIA NÃO É POP: Como vimos, recentemente, a teoria ganhou adeptos e está se espalhando na internet. Celebridades como o ex-jogador norte-americano de basquete Shaquille O’Neal e o rapper B.o.B declararam que acreditam na teoria. Grupos em redes sociais já somam mais de 50 mil membros e existe até o Centro de Pesquisas Terra Plana Brasil; B.o.B., que inclusive, lançou uma campanha de financiamento coletivo para enviar um satélite e comprovar seu ponto de vista...

Como uma teoria da conspiração, a história da Terra plana pode ser divertida. Mas, recapitulando, mostraremos como ela não para em pé.

- A chatice de uma terra chata

Para os terraplanistas, seria impossível circunavegar o planeta. E a única coisa circular seria a Antártida e a “rota” do sol...

ESTAÇÕES DO ANO

Terra plana – O Sol se movimenta de forma circular espiralizada [???]: ao mesmo tempo em que dá a volta no centro, vai de um trópico a outro, passando pelo Equador duas vez por ano. Onde ele está mais perto é verão. Mais longe, inverno... Perfeito! Porém, o inverno (ou verão_ neste modelo terraplanista, ocorre simultaneamente em todo o Planeta, e sabemos que não é assim...

Terra esférica – O eixo de rotação da Terra é uma linha imaginária inclinada. Ao longo do ano, um hemisfério recebe mais luz que outro. Por isso, quando é verão no Sul, é inverno no Norte

ANTÁRTIDA
Terra plana
 – Esse continente ocupa a borda do planeta, funcionando como moldura para o oceano. É um lugar proibido para pessoas comuns e pode ser visitado apenas em pontos controlados pelas autoridades, para que nunca um civil chegue até o final do domo e descubra a verdade sobre a Terra plana [!!!]

Terra esférica – O continente é usado por diversos países para exploração científica. A visita é controlada, visando à preservação, mas o turismo está aumentando. Em mais uma comprovação de que ele não é circular, em 2017 Patrick Bergel, bisneto do famoso explorador Ernest Shackleton, conseguiu algo em que seu antecessor fracassou: cruzar a Antártida. Ele venceu 5.800 km em uma viagem de carro por 30 dias, amplamente divulgada. Se fosse para dar a volta na Antártida terraplanista, ele levaria, no mesmo ritmo, 239 dias

CENTRO DA TERRA

Terra plana – Tudo que existe abaixo dos 12 km já escavados pelos humanos é desconhecido. Pode existir uma espécie de inferno (com ou sem conotações religiosas), onde não há vida, só magma. Abaixo disso, não se sabe: poderiam ser alicerces e colunas que sustentam a Terra ou um abismo

Terra esférica – O núcleo interno é uma grande bola de metal, constituída basicamente de níquel e ferro, envolvida por uma camada de rochas em estado líquido. Por causa do calor e da pressão, nenhuma sonda chegou lá, mas a ciência sabe disso tudo graças a estudos de terremotos, análises de meteoritos e pesquisas sobre a formação de nosso solo

GRAVIDADE
Terra plana
 – É um conceito que não existe, usado apenas para explicar coisas que não entendemos e corroborar com a teoria da Terra esférica. Todas as aplicações da gravidade podem ser explicadas pela densidade: mais pesados embaixo, mais leves em cima [seus pés pesam mais que sua cabeça, segundo a “teoria”]

Terra esférica – Grandeza responsável por definir o peso de um corpo. Qualquer objeto que se movimenta está sob influência da aceleração da gravidade, que na Terra  é de aproximadamente 9,8 m/s2 e puxa tudo para o centro do planeta. A gravidade não só existe como mostra que o terraplanismo não faz sentido algum. Caso a Terra fosse um disco, a gravidade não agiria de maneira uniforme. Por exemplo, quanto mais longe do Polo Norte, mais inclinados os prédios teriam que ser para compensar essa força [?].

MAGNETISMO
Terra plana
 – O polo magnético do planeta está no centro do disco, o Polo Norte. Sol e Lua são atraídos em torno dele

Terra esférica – O polo norte magnético fica no sul geográfico. De lá saem as linhas de atração, convergindo para o sul magnético (norte geográfico). Como os opostos se atraem, o norte das bússolas aponta para o sul magnético, que se encontra próximo do Polo Norte

- Para o finito e aquém

Terraplanistas dizem que o Sol é uma melequinha quente que gira dentro de um domo, cuja base é a Terra

SOL

Terra plana – A Terra é o centro de tudo, e o Sol gira em torno do Polo Norte, completando uma volta em 24 horas. É dia na área em que os raios solares incidem, é noite onde eles não chegam

Terra esférica – O Sol é a estrela central do sistema solar, com 1,3 milhão de km de diâmetro. Se a Terra fosse plana e o Sol girasse em cima dela, a sombra de um relógio de sol teria o mesmo tamanho ao longo do dia, o que não ocorre. Aliás, ao estudar a diferença entre as sombras formadas por postes idênticos em cidades distantes, o geógrafo grego Eratóstenes calculou a curvatura terrestre – há 2,2 mil anos!

Além disso, se o Sol funcionasse como um holofote que gira sobre a Terra, mesmo nas áreas não iluminadas por ele seria possível vê-lo – e nós não conseguimos ver o Sol à noite. Além de que, se sua orbita for circular e espiral ao mesmo tempo [gerando as estações, segundo eles], isto faria com que os dias fossem extremamente mais longos no inverno do que no verão... Quanto mais perto do centro, mais rápido é a velocidade e isto não é Matrix. No verão, poucas horas e no inverno, semanas!!!

ESTRELAS
Terra plana
 – As estrelas giram em torno do domo. Só uma é imóvel: a estrela Polar, localizada em cima do Polo Norte. Não é possível enxergar todas as estrelas porque a luz solar as ofusca

Terra esférica – Estrelas são corpos esféricos gigantescos, compostos de gases que produzem reações nucleares e emitem luz. Sistemas planetários giram em torno delas

LUA
Terra plana
 – Gira em um compasso diferente da do Sol, encontrando-o algumas vezes. Quando isso acontece, ela armazena radiação solar até ficar cheia. Em seguida, ela começa a se esvaziar, até cruzar novamente com o Sol. Isso explica as fases lunares

Terra esférica – Único satélite natural da Terra, a Lua gira em torno da Terra. Ela não emite luz, apenas reflete a do Sol. As fases resultam da posição em que a Lua recebe essa luz. Se a Lua conseguisse armazenar os raios do Sol, como diz a teoria da Terra plana, as fases determinariam a intensidade da luz, não o formato da face iluminada. Seria como uma lâmpada com dimmer

ROTAÇÃO E TRANSLAÇÃO

Terra plana – A Terra não se move. O movimento de translação cabe ao Sol, que gira sobre o disco terrestre

Terra esférica – A Terra gira sobre seu próprio eixo (rotação). Cada volta dura 24 horas, formando os dias. Ao mesmo tempo, ela gira ao redor do Sol (translação). A volta completa leva 365 dias, quatro horas e alguns minutos. É o que forma o ano

- Por que a Terra é esférica?

Dicas práticas para você mostrar àqueles seus conhecidos que andam espalhando que o planeta é plano

·                        Com um binóculo, observe navios na linha do horizonte. A primeira parte a desaparecer é a proa (frente). Se o oceano fosse plano, o navio viraria um pontinho e depois sumiria (como um pássaro que voa para longe). Uma pessoa de cerca de 1,70 m percebe isso de uma distância entre 3,5 a 5 km

·                        Se você estiver em um barco em movimento, aproximando-se do litoral, a primeira faixa de terra que verá serão os topos das montanhas. De novo, por causa da curvatura

·                        Com dinheiro e tempo de sobra, dá para dar a volta ao mundo. Um cruzeiro do tipo dura cerca de 200 dias. Você jamais encontrará um limite para dar meia-volta, o que significa que a Terra não tem borda. A expedição de Fernão de Magalhães comprovou isso em 1519

·                        Há constelações que só são visíveis em um hemisfério. Se for à Disney, comprove: você não verá o Cruzeiro do Sul, pois ele só pode ser visto no Hemisfério Sul. Se a Terra fosse plana, daria para vê-lo de qualquer lugar

·                        Nos eclipses lunares, quando a Terra fica entre o Sol e a Lua, é possível ver a sombra projetada pelo planeta no satélite – e ela é arredondada – quando o eclipse está se iniciando ou terminando...

 

-o-o-o-o-o-o-

Saiba mais:
Presos na Matrix: a Terra é Plana!

 

VOLTAR

FINALMENTE!

CTA: Curso de Teologia Aplicada

   SAIBA MAIS...

Agora com Novos Cursos

 

Preencha o Formulário abaixo para solicitar um estudo sobre um tema específico ou dar a sua opinião sobre este estudo... Não fique com dúvidas!!!

ATENÇÃO: Verifique se o seu  email está certo; pois não teremos como responder [veja em sua caixa de email, a resposta]!

CONTATOS [015]

9 9191-8612

(CLARO)

 

9 9781-0294 

(VIVO)

9 8121-3482

(TIM)

 

falecom@cyocaminho.com

Horário de atendimento: 9:00/19:00hs -  Exceto das 17:00hs/sexta às 15:00hs/sábado [Reuniões do Shabbos] Horário de Brasília

 

 

DÚVIDAS

 
 

  foxyform

 

Pregue a Verdade; Presenteie uma ESN!!!

 A Verdadeira e única edição das Escrituras Sagradas segundo o Nome [ESN - EUC by CYC; Edição Unitariana Corrigida], totalmente sob a ótica de Jo 1:3 onde TUDO foi criado por Yaohushua, está disponível! Nesta edição, muitas passagens onde os judaicos [e trinitarianos] não identificam Yaohushua, Ele está claramente identificado... Além disto, TODOS os nomes de profetas, personagens e locais geográficos estão no Hebraico Arcaico, a língua original das Escrituras. Solicite o seu exemplar e livre-se do paganismo que impera nas bíblias trinitarianas!

Veja mais informações, modelos; e, solicite a sua sem Cartão de Crédito!

Com Cartão de Credito - Clic Aqui!

ADOTE ESTA ESCRITURA EM SUA CONGREGAÇÃO

 

CONHEÇA NOSSOS HINÁRIOS: ADVENTUS & A HARPA YAOSHORUL'ITA

LANÇAMENTO: AGENDA 2018 - EVANGELIZE PRESENTEANDO UMA AGENDA QUE CONTÉM O NT COMPLETO [CLIC]

- Lições trimestrais: Juvenil & adultos -

Use Nossos Materiais Evangelísticos e Divulgue a Verdade

 CLIC AQUI  para fazer o seu pedido!

 

 

Temas DVs

HOME

CYC

CONGREGAÇÃO

YAOSHORUL'ITA

O CAMINHO